IOT Passo Fundo – uma história vitoriosa

Osvandré Lech

Em 26 de maio de 1976 Paulo Bertol, recém chegado da Inglaterra, funda o Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT), em sociedade com José Luiz Furtado Gouveia Sobrinho, que retornava da França, constituindo a primeira geração do corpo clínico e iniciando uma filosofia de trabalho que se mantém até hoje - atendimento qualificado baseado em crescimento científico. Como exemplo, Bertol e Gouveia publicam já em 1978 o primeiro trabalho nacional sobre o uso de fixadores externos no tratamento de fraturas complexas.

 

Dentro deste prisma, novos profissionais são convidados e constituem a segunda geração: José Saggin em 1979, João Fernando Pozzi em 1980, Fernando Lauda em 1983 e Tercildo Knop em 1986.  Com equipe qualificada, o IOT se torna rapidamente um dos centros de referência da ortopedia e traumatologia de uma vasta região do sul do país.

 

O ensino formal de ortopedia do IOT inicia em 1980 com a residência médica estabelecida no HSVP, sendo Osvandré Lech o primeiro residente.  

 

Em 40 anos de funcionamento ininterrupto, a residência médica do IOT no HSVP formou 119 especialistas que hoje trabalham em diversos estados do país e vários países vizinhos. (Veja quadro com relação completa dos residentes de ortopedia do HSVP-IOT).

 

A chefia da residência médica foi coordenada por Paulo Bertol (1980-1990), Osvandré Lech (1991-2016) e desde então por Luiz Henrique Penteado da Silva.

 

Nos anos 80, já com o ensino ortopédico estabelecido, se desenvolve naturalmente na cidade o atendimento por especialidade, uma tendência internacional e  observada pelo início da publicação de revistas especializadas e de congressos específicos. O IOT esteve na vanguarda desta tendência e se antecipou inclusive às capitais brasileiras, sendo por isso inserido rapidamente ao cenário ortopédico nacional e, a seguir, internacional. Desde então, há quase 40 anos todos os pacientes do IOT – seja particular, conveniado ou do SUS – do regime ambulatorial ou do atendimento da emergência, são tratados exclusivamente pelas “áreas específicas“ (ortopedia pediátrica, quadril, joelho, pé e tornozelo, coluna, mão e microcirurgia, ombro e cotovelo, tumores musculo-esqueléticos, fixadores externos e distúrbios osteometabólicos). Este padrão de qualidade medico-assistencial não é visto regularmente em outros centros médicos e auxilia diretamente no retorno mais rápido ao trabalho, esporte e lazer e proporciona melhor qualidade de vida às populações a que serve.

 

Centro reconhecido no tratamento das patologias do joelho, o IOT acompanhou o avanço tecnológico desafiador desta especialidade em tempo recorde; em 1981 é realizada a primeira reconstrução do ligamento cruzado anterior do joelho tratado com enxerto livre de tendão patelar (técnica de Dejour) em todo o país por José Gouveia, que retornava de treinamento em Lyon, França, onde a técnica foi desenvolvida. Paulo Bertol estabelece um centro de tratamento de ortopedia pediátrica, publica diversos artigos no país e exterior, forma discípulos e chega ao cargo de presidente da Soc. Brasileira de Ortopedia Pediátrica. A cirurgia do membro superior recebe impulso a partir de 1984 com os treinamentos de Osvandré Lech em cirurgia da mão em Louisville, Kentucky, e cirurgia do ombro em Nova Iorque.

 

A excelência do ensino ortopédico do IOT no HSVP pode ser também avaliada pelo número de residentes que permaneceram no Serviço e hoje mantém esta qualidade. Os primeiros convidados foram Jorge Borges (in memorium), André Kuhn, Luiz Henrique Penteado da Silva, Antônio Severo, André Hubner e Jung Ho Kim. Nos anos seguintes foram convidados os colegas Everton de Lima, Luiz Gustavo Calieron, Paulo Piluski, Osmar Lopes, Marcelo Lemos, Jean Dambrós, Samuel Faccioni, Gilberto do Nascimento, Marcos Nunes, Cristopher Stoffel. A internacionalização do Serviço permitiu a incorporação dos fellows de ombro Carlos Castillo (Venezuela) e de coluna Diego Heredia (Colômbia) à equipe. Todo este grupo constitui a terceira geração do corpo clínico.

 

A tradição ortopédica foi mantida no âmbito familiar, com a incorporação à equipe de Paulo Renato Saggin, Gabriel Knop, Fernando Guedes Lauda e Vinícius Kuhn, constituindo a quarta geração do corpo clínico.

 

A ortopedia do IOT no HSVP é constituída em 2021 por 62 profissionais (25 instrutores, 20 médicos-residentes de ortopedia e de cirurgia da mão - e 17 fellows, ou, ortopedistas em treinamento de especialidades). Uma equipe coesa que mantém os fundamentos estabelecidos em 1976 !

 

A intensa produção científica – artigos, capítulos, livros, conferências - e a participação ativa em congressos de todo o país chama a atenção de colegas interessados no treinamento das especialidades ortopédicas.  Em 1993,  Narcisio do Nascimento, de Natal, RN, vem ao IOT para treinar ombro e cotovelo.  O ciclo nunca mais parou e hoje o Serviço oferece treinamento pós-residência em todas as áreas ortopédicas. 

 

A partir de 1998 foi estabelecido o treinamento em cirurgia da mão e microcirurgia, sendo a ex-residente Tatiana Pitágoras a primeira especialista formada.  

 

Nestes 27 anos de treinamento pós-residência, mais de 250 ortopedistas vieram ao IOT e ao HSVP para obter treinamento especializado.

 

A qualidade ortopédica do Serviço pode ser mensurada por vários critérios: a) centro de referência para encaminhamento de casos complexos de uma ampla região do sul do país com resolubilidade próxima a 100%; b) excelente índice de aprovação dos medicos-residentes no exame para o título de especialista (TEOT) da SBOT e da AMB; c) intensa produção científica no Brasil e exterior; d) estabelecimento de pólo de difusão científica através da educação ortopédica continuada; e) crescente número de profissionais com mestrado e doutorado; f) liderança política; para exemplificar, as seguintes entidades foram presididas por ortopedistas do IOT : Soc. de Ortopedia do RGS (SBOT-RS), Soc. Bras. de Ortopedia Pediátrica (SBOP), Soc. Bras de Cirurgia da Mão (SBCMão), Soc. Bras. de Cirurgia do Ombro e Cotovelo (SBCOC), Sociedad Latino-Americana de Hombro y Codo (SLAHOC), International Board of Shoulder and Elbow Surgery (IBSES), Soc. Bras de Cirurgia do Joelho (SBCJ) e Soc Bras de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). O coordenador da residência de ortopedia, Luiz Henrique da Silva, está na linha de ascensão para presidir a Soc. Bras de Trauma Ortopédico (SBTO).

 

No início do novo milênio, o IOT prestava atendimento em condições limitadas na rua Independência, 889. Foi consenso a idea de edificar o Hospital do Trauma IOT, inaugurado em novembro de 2007 na Rua Uruguai, 2050. Com 14.000m2 de área construída, o novo hospital modificou o conceito de atendimento qualificado e conforto aos pacientes em Passo Fundo e região, sendo local de peregrinação de equipes ortopédicas de diversos pontos do país e exterior em busca das novas ideias e protocolos. A relação de cordialidade e ética entre o IOT e o HSVP se manteve inalterada no período e, em 2016, o HSVP adquire o prédio e estabelece ali o HSVP-Filial; esta segunda unidade hospitalar mantém o perfil de atendimento ortopédico e agrega outras especialidades.

 

 

Gilberto Camanho, livre-docente da USP, ex-presidente da SBOT e Editor Emérito da Revista Brasileira de Ortopedia, assim se manifestou quando aterrisou no aeroporto Lauro Kortz: “ afinal, agora eu vou saber o que é que tem esta tal de Passo Fundo...! ”.  

Já Theodomiro Xavier, decano ortopedista de Porto Alegre recém falecido, assim se manifestou: “Passo Fundo tem esta inquietude ortopédica que dá gosto…! ”

 

Estas expressões de curiosidade demonstram que valeu a pena estabelecer este centro de excelência em ortopedia em cidade de médio porte, difícil acesso e sem qualquer apoio financeiro governamental. Estamos felizes por fazer parte da história de Passo Fundo e região e por beneficiar milhares de pacientes na busca da saúde músculo-esquelética.

 

A visão humanística estabelecida em 1976 - atendimento qualificado baseado em crescimento científico- permanecerá.